Você está em: Início / Notícias / O estranho pires na mão

O estranho pires na mão

Compartilhar Twitter

05/12/2012


Aos olhos de muitos observadores, do sindicalismo à política partidária, passando pelo senso de economistas, a matéria 'Estado só pagará 13º se economia crescer' passou batida na penúltima edição deste semanário. Passou, mas não deveria ter passado. E não deveria ter passado por trazer em si alguns aspectos curiosos e temerosos da vida administrativa de Sergipe.
A advertência de que uma das principais obrigações do Estado - a de pagar o 13º a mais de 70 mil barnabés entre ativos e aposentados - está sob perigo de não ser cumprida, foi feita pela maior autoridade sergipana depois do próprio governador Marcelo Déda, que é o secretário de Fazenda João Andrade, o homem por trás do governante número um. O dono da chave do cofre-grande. "A situação financeira do Estado ainda é apertada, de modo que as receitas estão direcionadas exclusivamente para cumprir os compromissos dentro do mês, sem folga de caixa", advertiu Andrade, logo de largada.
O compromisso do 13º salário implica um desembolso de R$ 310 milhões a mais na calha financeira do Governo. Se este não é um 'compromisso dentro do mês', o é dentro do ano. E dele o Estado, regiamente, não pode jamais fugir. O estranhamento vem exatamente daí: onde anda a capacidade gerencial de Sergipe frente às finanças públicas?
O que terá acontecido com Estado de Sergipe que, do meio do segundo governo de Déda em diante (2009 a 2010) jactava-se de ter estocado em caixa mais de meio bilhão de reais e que hoje não dispõe de R$ 310 milhões para pagar uma folha extra que, de tão natural, nem é tão extra assim, posto que está no cronograma do erário desde que o erário é erário? O que acontece com Sergipe que, num momento em que todos os indicativos da economia do país apontam crescimento, o Governo daqui diz decrescer? Aliás, decrescer só nas finanças públicas, porque no geral estranhamente o Governo diz que o Estado tem o segundo maior crescimento do Nordeste, perdendo só para o Rio Grande do Norte, que anda disparado.
Na mesma matéria que por alguns passou batida, havia um alerta sério de alguém que conhece por dentro a máquina financeira do Estado, seu conteúdo, seu quantitativo de arrecadação, sua capacidade operacional. Este alguém é Marcos Correa Lima, um dos auditores encastelado no Sindat: "O secretário da Fazenda tem que parar com esta mania de pregar o caos, de fazer terrorismo", disse. E deu um diagnóstico diferente do que veio no choro estatal: 'no geral, a receita corrente cresceu 13,7%'.
Portanto, onde está a crise? Onde está a dificuldade de assumir e resgatar os compromissos? O Governo do Estado está gerindo mal a sua parte financeira, está informando mal ou os meios de mídia não estão sabendo ler bem o que se passa no fundo do erário? Quem está certo: Correa Lima ou João Andrade? Na semana passada, o Governo de Sergipe festejava o fato de o governador Déda ter conseguido a promessa de um empréstimo de US$ 150 milhões do Bird - Banco Mundial - para programas de ordem social. Dentro do diapasão da Sefaz, que explicita miséria com os compromissos de hoje, é para rir ou para chorar com mais esta fonte de custo que representará um empréstimo de US$ 150 milhões a ser deduzido do pouco que o Estado já dispõe? Este estranho pires na mão carece de maiores explicitações.

(Editorial da edição 1479 do jornal Cinform, publicada em 15 de agosto de 2011)


Veja também

NOVEMBRO

NOVEMBRO

05/01/2012

JUNHO

JUNHO

05/01/2012